22.2.19

De repente na hora de dormir


- Mãe, o que acontece quando a gente morre? A gente vai morrer e vai pra onde? A gente vai desaparecer? (começa a chorar)
- Calma, filho. Eu acho que a gente não desaparece não, acho que a gente se transforma.
- Mas quando você morrer, você vai pra onde? Você vai ficar longe de mim e eu nunca mais vou te ver? (chora mais)
- Filho, eu vou estar sempre com você, sempre!
- Não vai não! Quando você morrer, eu não vou mais te achar e não vai ter ninguém pra cuidar de mim.
- Calma meu amor, não é assim. Eu vou cuidar muito de você. E a natureza nos protege, protege todo mundo. Cada um vai ter o seu tempo.
- Todo mundo vai morrer? Pra onde vai todo mundo?
- Todo mundo morre e eu não sei pra onde a gente vai. Mas eu sei que fica tudo bem, porque a gente vai se transformando. Meu amor, não se preocupe com isso.
- Eu sei que a gente vira estrelinha.
- Sim! A gente vira luz!
- Mas como eu vou te achar quando você virar estrelinha, mãe, como? Estrelinha nem tem pé, nem perna, nem olho, nem boca. Eu não vou te achar nunca mais!!! (chora muito)
- Filho, meu coração, olha pra mim. Nós estamos ligados pra sempre através do nosso amor. E eu vou estar sempre com você e você comigo. E a gente ainda vai viver muito e vamos fazer muitas aventuras!
- Mas como é depois? Como é que as pessoas fazem pra se encontrar?
- Filho, isso eu não sei. Só sei que a gente se transforma e vira luz, vira estrelinha! E as estrelas se comunicam de outras formas.
- Mas elas não sabem falar!
- Mas elas sabem brilhar!
- Elas mandam sinais?
- Sim! (gostando da ideia) Acho que é mais ou menos assim.
- Mas e se vier um raio fortão e destruir as estrelas?
- Os raios e as estrelas são amigos. São feitos da mesma coisa, só que têm formas diferentes. Eles não vão se destruir, eles gostam de brincar juntos.
- Mas e quando tem uma chuva muito forte, a chuva pode acabar com as estrelas?
- Não, porque as estrelas ficam beeem mais alto do que as nuvens que trazem a chuva. Quando chove, as estrelas ficam encobertas pelas nuvens. Aí quando para de chover e as nuvens saem do céu, as estrelas voltam a aparecer.
- Mas eu vou acabar quando eu for virar estrelinha? Eu não quero morrer, eu não quero acabar!!! (volta a chorar)
- Meu amor, você não vai acabar, você ainda vai viver muito.
- Mas e se você morrer e eu não te encontrar mais? E se quando eu morrer e virar estrelinha, eu não te achar? Como é que eu vou te achar, mãe?
- Meu amor, isso é um mistério, mas a natureza sempre sabe o que faz. Confia na natureza e confia no nosso amor, que a gente vai se encontrar... (ele continua chorando, eu não sei mais o que dizer) ...  Você estava da minha barriga e nasceu! Então vc me achou, viu?
- (Ele para de chorar) Então depois que a gente vira estrelinha, a gente vira semente? E aí entra na barriga das mães?
- É mais ou menos assim... Eu acho que gente vai se transformando... é um ciclo.
- Depois começa tudo de novo? Mas como? E se a gente nascer bicho, se a gente nascer árvore? Como eu vou achar você de novo?
- A gente vai saber.
- Como?
- Agora eu também não sei como é, filho. Mas a gente vai descobrir quando a gente souber falar a língua das estrelas. Aí a gente vai entender tudo isso.
- Mas eu não quero me separar de você.
- Tá bom, então vamos combinar que a gente nunca vai se separar. Eu vou estar sempre com você.
- Quando eu virar estrelinha, eu vou ficar brilhando do seu ladinho. E também vou virar semente e entrar na sua barriga de novo.
- Combinado, filho. Agora vamos dormir e pensar em coisas bem lindas e brilhantes e pensar no nosso amor que é maior do que o infinito.
- Boa noite, mãe. (me beija e abraça forte) Te amo, mãe.
- Te amo tanto, filho! Sonhe com os anjinhos e com os peixinhos.

 


Um comentário:

Sérgio Salvia Coelho disse...

Tua definição de estrela é a definição de amor. Dura muito, mas demora um tempo para a gente conseguir ver. Serve de guia. E vence a morte.